Fadiga, falta de energia, depressão, irritação, intolerância, baixa auto-estima, sentimento de incapacidade pessoal e profissional, já teve estes sintomas? Conhece alguém que está passando por isso? Todos estes sintomas podem ser indicativos da síndrome de burnout, do inglês burn=queima e out = exterior, ou seja, o burnout é caracterizado pelo esgotamento físico e mental.

A pessoa com a síndrome também pode apresentar sintomas físicos, como dor de cabeça, enxaqueca, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia e distúrbios gastrointestinais. Não há um exame específico para identificar o burnout, o diagnóstico é feito pelo médico através da análise dos sinais e sintomas, e critérios de exclusão, e também podem ser necessárias dosagens de hormônios no sangue.

Os profissionais submetidos a altos níveis de estresse, como área da saúde, bombeiros, policiais militares e professores são mais suscetíveis a desenvolver a síndrome de burnout. No entanto, a síndrome pode acometer profissionais de qualquer área. A competitividade do mercado de trabalho, cobranças, falta de motivação, desvalorização profissional e sobrecarga são fatores que, a longo prazo, podem levar ao esgotamento e ao aparecimento da síndrome.

Biologicamente, quando o organismo é submetido a quadros estressantes, há a liberação de grandes quantidades de cortisol pela glândula adrenal, localizada sobre os rins. Quando o estresse ocorre de forma crônica, intensa e prolongada, a adrenal esgota suas formas de fabricar o cortisol, levando a uma queda significativa do hormônio, o que também é prejudicial ao organismo, levando à sensação de esgotamento.

Como podemos notar, tanto o excesso quanto a falta de cortisol, são prejudiciais para o organismo, portanto é necessário haver equilíbrio. Este equilíbrio pode, e deve, ser extravasado para a adoção de novos hábitos de vida para a melhora efetiva da síndrome de burnout, como praticar atividade física regularmente, se alimentar de forma saudável optando por alimentos in natura, ter tempo para o lazer com familiares e amigos, praticar atividades que promovam o relaxamento como yoga e meditação. Essas mudanças comportamentais são o centro do tratamento e podem ser acompanhadas de medicamentos em alguns casos.

Também é possível optar por suplementos de extratos vegetais, que permitem passar por este período com mais suavidade e de fato são eficazes na reversão do quadro.

Relora® é uma alternativa natural que age promovendo o relaxamento, o aumento dos níveis de serotonina no cérebro que por sua vez proporcionam a sensação de bem-estar e, consequentemente, tem efeito na modulação dos níveis de cortisol. Os estudos mostram também que Relora® é eficaz na melhora do humor e vigor.

Relora® pode ser utilizado na prevenção da síndrome de burnout e também como uma intervenção quando o quadro já está instalado.

Quer receber novidades?